Close

IMPORTÂNCIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM SEUS INVESTIMENTOS E SUAS ESTRUTURAS

Começaremos o artigo com a definição de Demonstrações Contábeis: são documentos que as empresas elaboram e divulgam com informações sobre sua situação patrimonial e financeira em determinada data.

 

A divulgação dessas Demonstrações é obrigatória, segundo a Lei 6.404/76, para empresas de capital aberto no final de cada exercício social. Tais Demonstrações objetivam fornecer informações úteis para os sócios, acionistas, governo, investidores, dentre outros usuários. Veja alguns exemplos dos interesses dos usuários das informações contábeis:

 

– Sócios e Acionistas: rentabilidade e segurança de seus investimentos, além da avaliação da gestão da empresa.

– Administradores, Diretores e Executivos: tomada de decisões dentro da empresa.

– Bancos e emprestadores de dinheiro: análise da capacidade de pagamento das dívidas.

– Governo: verificação da capacidade de pagamento dos tributos.

Investidores: análise do comportamento do lucro e da dívida para subsidiar futuros investimentos.

– Fornecedores: análise da concessão de crédito para vendas a prazo.

 

Enfatizamos que o conhecimento básico das Demonstrações Contábeis é relevante para verificação da saúde financeira das empresas, em especial, quando você objetiva o investimento em ações, principalmente para períodos de longo prazo.

 

Dando sequência, vamos ver a estrutura e características do Balanço Patrimonial (BP), da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) e da Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC), por se tratar das Demonstrações que mais impactarão suas decisões de investimentos:

 

1) Balanço Patrimonial (BP)

Retrata a posição financeira atual da empresa. Ele se divide em ativo (bens e direitos da empresa), passivo (obrigações da empresa) e patrimônio líquido (resultado da diferença entre ativo e passivo).

Se ativo > passivo, a empresa consegue arcar com suas despesas; se ativo < passivo, as obrigações superam o valor dos bens e direitos da empresa (situação deficitária conhecida como “passivo a descoberto”).

Estrutura do BP:

 

 

Exemplos de bens: máquinas, terrenos, estoques, dinheiro (moeda), ferramentas, veículos, softwares.

 

Exemplos de direitos: contas a receber, títulos a receber.

 Exemplos de passivo: Empréstimos e financiamentos tomados, fornecedores a pagar, possíveis perdas judiciais, salários a pagar, etc.

 

Tanto os ativos como os passivos de uma empresa são divididos em Circulante (recursos ou obrigações que possuem realização no curto prazo, até 12 meses) e Não Circulante (acima de 12 meses).

 

Como interpretar o Balanço Patrimonial?

 a) Aplicação de recursos (onde a empresa investe): Ativo

 b) Fonte de recursos (como a empresa se financia): Passivo (capital de terceiros) + PL (capital próprio)


2) Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

 

Registra todas as receitas e as despesas da empresa e através da diferença entre as receitas e despesas é possível apurar se houve lucro (receita>despesa) ou o prejuízo (receita<despesa) em determinado período. Reflete a eficiência do desempenho econômico. Essa demonstração oferece uma análise dos resultados operacionais e não operacionais de uma empresa em um certo período. As empresas devem indicar na DRE as receitas, os custos, as despesas, resultados financeiros, os abatimentos dos impostos, e os lucros ou prejuízos do período. Importante para os gestores terem uma visão mais realista sobre as decisões que devem ser tomadas e analisar se existe viabilidade econômica para determinados investimentos ou não.


Estrutura da DRE:

 

Diferentemente do Balanço Patrimonial que representa uma fotografia dos bens e direitos e obrigações da empresa, a DRE representa a formação dinâmica do resultado líquido do começo ao fim de cada trimestre.

Desta forma, é um dos mais importantes relatórios de gestão de uma empresa por refletir a eficiência do desempenho econômico, uma vez que nos mostra o faturamento, a margem, e se o negócio opera no lucro ou prejuízo.

Ao indicar as margens de uma empresa, a demonstração possibilita para os gestores uma análise dos resultados ligados diretamente à operação da empresa, oferecendo assim uma visão mais realista do desempenho do negócio.

 

3) Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC)

 

Possibilita saber quanto entrou e saiu de dinheiro, de uma empresa, em um determinado período de tempo, sendo possível, com essa demonstração, saber exatamente quais as origens de recursos e onde estes foram aplicados, o que traz vários benefícios para a empresa. Reflete o desempenho financeiro, mostra como a empresa gera o seu caixa e como ela faz a alocação do mesmo.

 

Estrutura da DFC

 

  1. a) DFC método direto:

 

  1. b) DFC método indireto:

 

Obs. para a DFC: Tanto pelo método direto quanto pelo indireto da DFC, exemplificados acima, o “Fluxo de Caixa Total” (FCT), também chamado de “Variação de Caixa e Equivalentes”, corresponde ao somatório dos três seguintes fluxos na DFC: “Atividades Operacionais”, “Atividades de Investimento” e “Atividades de Financiamento”. Ou seja, Fluxo de Caixa Operacional (FCO) + Fluxo de Caixa de Financiamento (FCF) + Fluxo de Caixa de Investimentos (FCI) = Fluxo de Caixa Total (FCT), conforme esquema abaixo.

 

Uma outra forma de calcular o FCT é analisar a diferença entre o “Saldo Final de Caixa e Equivalentes” e o “Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes”. Ou seja: FCT = Saldo Final de Caixa e Equivalentes (-) Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes.

Pelos exemplos das estruturas de DFC citadas acima, o FCT seria calculado das seguintes formas:

1) FCO (+R$ 3.120,00) + FCF (-R$ 3.440,00) + FCI (+R$ 1.120,00) = R$ 800,00; ou

2) “Saldo Final de Caixa e Equivalentes” (R$ 2.300,00) – “Saldo Inicial de Caixa e Equivalentes” (R$ 1.500,00) = R$ 800,00.

 

Conclusão

A intenção deste artigo foi mostrar a importância das demonstrações contábeis para você, investidor, verificar a saúde financeira das empresas, em especial, quando seu objetivo é o investimento em ações no longo prazo. Também mostramos as estruturas das principais demonstrações para se familiarizarem com as mesmas.

Acompanhe a Oficina de Investidores (OI) e compartilhe suas dúvidas conosco!

Forte abs!

 

 

 

 

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =